Eco-design e Design sustentável.

sustentabilidade

Uma nova filosofia de responsabilidade sócio-ambiental está mudando o conceito de design em todo o mundo. Os profissionais e estudiosos mais antenados já estão aderindo ao eco-design e ao design sustentável para acelerar a mudança nos processos de produção e consumo e ajudar a criar alternativas sustentáveis para o desenvolvimento.

Diferente do design convencional, que busca agregar valor a um produto apenas para alavancar seu potencial econômico, o eco-design e o design sustentável buscam projetar soluções para o consumidor sem abrir mão do respeito ao meio ambiente e à sociedade. Para isso, ele se utiliza de técnicas específicas, tecnologias limpas e materiais apropriados, estimulando as atitudes social e ecologicamente corretas.

E para entendermos melhor como tudo isso funciona, é preciso diferenciar eco-design de design sustentável. O primeiro termo começou a ser discutido na década de 80, com o surgimento das primeiras discussões sobre desenvolvimento sustentável. Seu objetivo é preservar ao máximo o meio ambiente por meio de técnicas de design e assegurar que as gerações futuras tenham direito a usufruir dos recursos naturais, como nós o fazemos hoje.

Segundo Claudio Pereira Sampaio, pesquisador do Núcleo de Design e Sustentabilidade da Universidade Federal do Paraná e professor universitário, o design sustentável vai um pouco além. Ele engloba as vertentes ambiental, social e econômica que estão ligadas ao desenvolvimento e à utilização de um produto.

Para isso, durante o processo de planejamento e desenvolvimento do material, o profissional do design sustentável estuda todo o seu ciclo de vida, desde a matéria-prima utilizada até o seu descarte final, e fica atento a uma série de fatores que podem influenciar na forma como aquele produto irá impacta o ambiente.

O conceito de design sustentável pode ser aplicado de diversas formas, como:

Por meio da recuperação de material. Os materiais utilizados devem estar o mais próximo possível de seu estado natural para que sejam facilmente recuperados. Materiais compostos são de difícil recuperação e reciclagem, pois muitas vezes não é possível a segregação dos componentes originais.

Desenvolvendo projeto “simples”. Os produtos desenvolvido de formas simples – sem descuidar do fator estético – geralmente têm custo de produção menor, pois utilizam menos materiais e permitem maior facilidade de montagem e desmontagem.

Reduzindo as matérias-primas na fonte. Essa atitude visa reduzir o consumo de materiais ao longo do ciclo de vida do produto, o que reduz também a quantidade de resíduos gerados na hora do descarte.

Recuperando e reutilizando os resíduos. É um engano pensar que resíduos só são gerados na hora do descarte. Essa é apenas uma fração de tudo o que é jogada fora durante todo o processo, o que inclui a fabricação e o uso de um produto. Por isso, é importante adotar tecnologias que recuperem os resíduos, aproveitando o máximo da matéria-prima e obtendo ganhos econômicos e ambientais

Utilizando formas de energia renováveis. Esse é um dos pressupostos do desenvolvimento sustentável, porém é preciso ficar atento ao ciclo de vida dos equipamentos que utilizam energias renováveis para se determinar a viabilidade, tanto ambiental quanto econômica, destes equipamentos. Pode ocorrer que para a fabricação de um coletor solar, por exemplo, seja consumida uma grande quantidade de recursos não renováveis e seja gerada uma grande quantidade de resíduo perigoso.

Utilizando materiais eco-friendly. Os designs sustentáveis sempre que possível, optam por utilizar matérias-primas renováveis substituindo as não renováveis. São materiais como o bambu, as tintas de origem vegetal (substituindo as químicas), as madeiras de reflorestamento, os plásticos reciclados etc.

Optando por produtos com maior durabilidade. A extensão da vida útil de um produto contribui significativamente para a eco-eficiência, já que um produto durável evita a necessidade de fabricação de um substituto.

Recuperando as embalagens. A aplicação desta prática prevê que as embalagens possam ser reaproveitadas, seja na reutilização ou na reciclagem. A utilização de produtos com refil é um bom exemplo de reutilização de embalagens. Para isso, é importante que os fabricantes assumam a responsabilidade pelas suas embalagens e desenvolvam sistemas de recolhimento que facilitem a reutilização ou a reciclagem.

 

Texto extraído: ecodesenvolvimento.org

Facebook Comments

Deixe um comentario

Your email address will not be published. Required fields are marked *